Analistas defendem que AstraZeneca poderá ter de fazer aquisições para atingir metas 417

Analistas defendem que AstraZeneca poderá ter de fazer aquisições para atingir metas

11-Fev-2014

Apesar da pipeline da AstraZeneca poder aparentemente compensar a descida nas vendas devido à concorrência das versões genéricas, diversos analistas sugerem que a empresa pode precisar de levar a cabo uma grande aquisição para cumprir as suas metas, indicou a agência “Bloomberg”.

Tim Anderson, analista da Sanford C. Bernstein & Co, afirmou que um grande negócio «pode de repente mudar a perspetiva» para a companhia, ao passo que pequenas aquisições «representam uma abordagem mais lenta a nível de reconstrução».

A AstraZeneca reiterou que, a par dos seus resultados financeiros trimestrais, espera voltar a crescer mais rapidamente que o previsto, e obter receitas em 2017 em linha com as de 2013. A empresa indicou que possui 11 medicamentos em ensaios clínicos de fase final, quase o dobro face ao ano anterior, e 19 a entrar na fase III nos próximos dois anos.

«Nos últimos 12 meses fizemos grandes avanços nesta area», comentou o CEO Pascal Soriot, acrescentando que «estamos numa fase de reconstrução mas ainda temos muito trabalho pela frente». A companhia destacou três compostos, que incluem o tratamento para a doença de Alzheimer AZD3293, que este ano deverá entrar na fase III de desenvolvimento e gerar vendas na ordem dos mil milhões de dólares. Soriot enalteceu este composto mas sugeriu que a AstraZeneca poderá procurar um parceiro para este inibidor de BACE depois de ter optado, em 2012, por recorrer ao outsourcing na área da pesquisa em neurociências.

WordPress Ads

Envie este conteúdo a outra pessoa