Trabalhadores do INFARMED surpreendidos com conferência cancelada «à última hora» 0 115

Trabalhadores do INFARMED surpreendidos com conferência cancelada «à última hora»

 


24 de janeiro de 2018

A comissão de trabalhadores do INFARMED manifestou-se «altamente surpreendida» como o cancelamento «de última hora» da conferência sobre o futuro da instituição, lamentando a oportunidade para se debater o assunto.

Em declarações à agência “Lusa”, o coordenador da comissão de trabalhadores, Rui Spínola, disse ter recebido ontem com surpresa a notícia sobre o cancelamento, «por motivos alheios» à própria associação, da conferência que estava prevista para hoje, organizada pela Associação Portuguesa de Engenharia e Gestão da Saúde (APEG Saúde).

Rui Spínola indicou que estavam inscritos para assistir a esta conferência «cerca de 100 trabalhadores do INFARMED», além de que um elemento da comissão de trabalhadores iria participar no painel de debate, que contaria também com o coordenador do grupo de trabalho para a avaliação dos cenários de deslocalização da Autoridade Nacional do Medicamento para o Porto, Henrique Luz Rodrigues.

«Houve um cancelamento de última hora e por motivos alheios aos organizadores. Não compreendemos o que aconteceu e lamentamos que não haja esta oportunidade de debate», afirmou o coordenador da comissão de trabalhadores.

A Associação Portuguesa de Engenharia e Gestão da Saúde – APEG Saúde estava a promover uma conferência com o tema “INFARMED – O que pode e deve ser?”, que se devia realizar em Oeiras hoje.

«Lamentamos informar que por motivos inesperados de oportunidade e alheios à nossa vontade, não se realizará a sessão “INFARMED – O que pode e deve ser?», que estava prevista para amanhã [hoje], dia 24 de janeiro de 2018. O debate sério, a troca de ideias, a análise ponderada de argumentos, a reflexão serena sobre caminhos a seguir e opções estratégicas necessárias, não são oportunas e resultam impossíveis de momento», escreve a APEG Saúde no seu site da internet.

A Associação refere ainda que fica com a dúvida de «quando e onde seria oportuno» esse debate.

O anúncio de transferir a sede do INFARMED de Lisboa para o Porto, feito pelo ministro da Saúde no final do ano passado, gerou polémica e controvérsia, com a esmagadora maioria dos trabalhadores do instituto a afirmarem de imediato que não tencionavam aceitar a transferência.

Envie este conteúdo a outra pessoa