“Os farmacêuticos têm que ter – e estão a ter – uma participação em todas as áreas da Saúde” 265

Começou esta quinta-feira, dia 26 de novembro, o Congresso Nacional dos Farmacêuticos 2020, que decorre em paralelo com o XIV Congresso Mundial dos Farmacêuticos de Língua Portuguesa. Durante os próximos três dias, e pela primeira vez online, debate-se sob o tema “Abrir Horizontes. Fazer Acontecer”.

Neste primeiro dia de Congresso, o destaque foi para a Sessão de Abertura que contou com a presença de Hélder Mota Filipe (Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa), Francisco Ribeiro Telles (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), Walter Jorge João (Conselho Federal de Farmácia do Brasil), Marcília Fernandes (Ordem dos Farmacêuticos de Cabo Verde), e claro, Ana Paula Martins (Ordem dos Farmacêuticos de Portugal).

Sobre o evento, Hélder Mota Filipe afirmou que “se já antes era importante realizarmos o Congresso, assume especial pertinência no atual contexto de emergência em Saúde Pública, decorrente da pandemia pela Covid-19, proporcionando um espaço para o debate e discussão de respostas comuns a este problema global”.

Tendo em conta o contexto em que vivemos, “em que a ameaça à Saúde Pública apresenta contornos inéditos, este congresso constitui o momento adequado para se refletir sobre a importante missão e objetivos que os farmacêuticos cumprem nas nossas sociedades”, indicou Francisco Ribeiro Teles.

Para Walter João, do Conselho Federal de Farmácia do Brasil, “este é um congresso que tem uma grande magnitude e vem, na minha opinião, trazer grandes oportunidades para os países de língua portuguesa (…) Temos que aproveitar esta oportunidade para pensarmos e reinventarmos a profissão farmacêutica”.

Marcília Fernandes, da Ordem dos Farmacêuticos de Cabo Verde, acredita que “hoje, mais do que nunca, impõe-se refletir sobre as nossas apostas, reavaliar o percurso feito e delinear as bases para uma nova caminhada rumo ao futuro coletivo a partilhar (…) O diálogo, o exercício reflexivo e a cooperação, devem estar na base desse processo de busca de soluções para os problemas que a todos nos afligem”.

Coube à bastonária da Ordem dos Farmacêuticos de Portugal, Ana Paula Martins terminar a Sessão de Abertura do Congresso, dando conta da participação de todos os farmacêuticos em todas as áreas da Saúde.

“Os farmacêuticos têm que ter – e estão a ter – uma participação mais efetiva em todas as áreas que à Saúde dizem respeito”, e acrescentou, “Estamos preparados para o fazer porque também no espaço lusófono temos um projeto comum na área da educação farmacêutica”, afirmou Ana Paula Martins.

O Congresso continua esta sexta-feira e sábado, dia 27 e 28 de novembro, entre as 9:00 e as 20:00.

Envie este conteúdo a outra pessoa