Nilemdo demonstra tolerabilidade consistente e eficácia sustentada 137

A Daiichi Sankyo anunciou no Congresso da Sociedade Europeia de Cardiologia (ESC 2020), que o seu medicamento Nilemdo (ácido bempedóico) tem vindo a demonstrar tolerabilidade consistente e eficácia sustentada ao longo de 2,5 anos.

O Nilemdo é um novo medicamento oral, que reduz os níveis de colesterol e que pode ser combinado com outras terapêuticas orais para uma redução adicional.

O ácido bempedóico é um inibidor da adenosina trifosfato citrato liase (ACL), uma enzima que é responsável pela produção de colesterol no fígado. O ácido bempedóico está aprovado na Europa para a redução do colesterol de lipoproteínas de baixa densidade (c-LDL) em adultos com hipercolesterolemia primária ou dislipidemia mista.

Os dados apresentados no ESC 2020 resultam de uma extensão do estudo aberto CLEAR Harmony, que originalmente mostrou que o ácido bempedóico é em geral bem tolerado e capaz de reduzir significativamente o c-LDL em comparação com placebo às 12 semanas, sob terapêutica combinada com estatinas e outras terapêuticas antidislipidémicas.

Os doentes que completaram o estudo CLEAR Harmony tiveram a opção de se inscreverem na extensão do estudo, na qual todos os participantes receberam ácido bempedóico num período adicional de 78 semanas, o que significa que alguns doentes receberam tratamento por 130 semanas no total.

Os resultados da extensão do estudo mostraram que o ácido bempedóico reduziu significativamente o c-LDL em 14,4% em relação à terapêutica com a dose máxima tolerada de estatinas e outras terapêuticas antidislipidémicas ao longo das 78 semanas de tratamento, dados que são consistentes com os observados no estudo inicial.

O Nilemdo foi aprovado para tratamento de adultos com hipercolesterolemia primária (heterozigótica familiar e não familiar) ou dislipidemia mista, como terapêutica auxiliar ao regime alimentar em associação com uma estatina ou com uma estatina com outras terapêuticas antidislipidémicas em doentes que não conseguem alcançar os objetivos de c-LDL com a dose máxima tolerada de estatina, ou isolado ou em associação com outros antidislipidémicos em doentes intolerantes a estatinas ou para os quais as estatinas estão contraindicadas.

Envie este conteúdo a outra pessoa