Moderna faturou 1.700 milhões de dólares, até março, com venda da vacina 321

A farmacêutica Moderna faturou, entre janeiro e março, 1.700 milhões de dólares (1.415 milhões de euros) graças às vendas da vacina anti-covid e teve um lucro de 1.200 milhões de dólares (mil milhões de euros).

No total, a Moderna faturou 1.900 milhões de dólares, durante os primeiros três meses do ano, principalmente devido à venda de mais de 100 milhões de doses da vacina, segundo um comunicado  da farmacêutica.

A empresa norte-americana anunciou que reviu em alta as previsões de vendas da vacina para o conjunto do ano para um total de 19.200 milhões de dólares e disse que espera entregar, durante o segundo trimestre, entre 200 e 250 milhões de doses.

“No primeiro trimestre, a equipa da Moderna cumpriu os seus compromissos de fornecimento a muitos governos e ajudou a proteger mais de 100 milhões de pessoas. Esta conquista traduziu-se no primeiro trimestre de lucros na história da companhia, após 10 anos de inovação científica e vários milhares de milhões de dólares investidos para tornar a nossa plataforma de ARNm uma realidade”, afirmou o presidente executivo da farmacêutica, Stéphane Bancel.

O mesmo responsável adiantou que a Moderna espera produzir em 2021 pelo menos 800 milhões de doses da sua vacina, que usa a tecnologia de ARN mensageiro, mas tentará aproximar-se dos mil milhões de doses.

Bancel disse, ainda, que a empresa está em conversações com todos os governos com quem tem contratos em 2021 para entregas em 2022 de doses iniciais e de reforço da vacina e mantém ainda negociações com outros países da Ásia, Médio Oriente, África e América Latina.

A expectativa, segundo Bancel, é que o total de doses contratadas para 2022 seja maior do que em 2021.

Envie este conteúdo a outra pessoa