Ministério da Saúde adota instrumento desenvolvido pela UC para avaliar ganhos em saúde 0 517

Através de comunicado, a Universidade de Coimbra (UC) informa que o Ministério da Saúde adotou como instrumento de referência para avaliar a qualidade de vida relacionada com a saúde, um instrumento de medição de resultados desenvolvido por uma equipa de investigadores do Centro de Estudos e Investigação em Saúde da Universidade de Coimbra (CEISUC).

Este instrumento, designado EQ-5D-5L em português, é um novo meio para avaliar ganhos em saúde, no âmbito de medição e valoração dos efeitos em saúde, baseado em preferências da população portuguesa.

O EQ-5D-5L “apoia a tomada de decisão nos processos de financiamento pelo Serviço Nacional de Saúde, designadamente nos processos de comparticipação, avaliação e reavaliação de tecnologias de saúde”, indica a UC.

Este é referido na portaria 391/2019, de 30 de outubro, que define os princípios e a caracterização das Orientações Metodológicas para Estudos de Avaliação Económica de Tecnologias de Saúde.

A equipa do CEISUC, liderada por Pedro Lopes Ferreira, “desenvolveu um modelo econométrico que permite obter um sistema de valores para a realidade portuguesa a partir do EQ-5D-5L, um instrumento genérico de avaliação da qualidade de vida relacionada com a saúde, com regras definidas pelo Grupo EuroQol”.

Trata-se de uma metodologia construída com base nos chamados PROs (Patient-reported outcomes), resultados reportados diretamente pelos doentes, que tem vindo a ganhar terreno na investigação em saúde, considerada útil para apoiar decisões clínicas e de políticas de saúde.

O EQ-5D-5L com o sistema de valores da população portuguesa permite conhecer o valor que os cidadãos atribuem a determinados estados de saúde. Assenta num sistema de classificação que descreve a saúde em cinco dimensões: mobilidade, cuidados pessoais, atividades habituais, dor e ansiedade/depressão.

A equipa do CEISUC realizou um estudo junto de uma amostra representativa da população, em Portugal continental e ilhas, constituída por 1451 pessoas, de ambos os sexos e de várias faixas etárias, abrangendo áreas urbanas e rurais.

Os dados foram recolhidos através de entrevistas individuais efetuadas nas residências dos entrevistados, assistidas por computador, seguindo o rigoroso protocolo EuroQol Valuation Technology, por forma a garantir a fiabilidade dos dados. Cada entrevista compreendeu a avaliação de 10 estados de saúde, descritos com base nas 5 dimensões do EQ-5D-5L.

Os resultados deste estudo evidenciam que “a dor, o desconforto físico e a mobilidade são as dimensões mais relevantes do EQ-5D-5L, de acordo com as preferências da população portuguesa em geral. Atividades habituais e ansiedade/depressão são as dimensões menos relevantes”.

O estudo, publicado na revista Quality of Life Research, contou ainda com a colaboração de investigadores de Espanha, Alemanha e Holanda, e fez parte de um projeto internacional do EuroQoL que visa obter conjuntos de valores EQ-5D-5L específicos de cada país.

Envie este conteúdo a outra pessoa