Covid-19: OMS e EMA recomendam adiamento da segunda dose da vacina “entre 21 e 28 dias” 270

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou que a administração da segunda dose da vacina da Pfizer-BioNTech seja “atrasada algumas semanas” em situações excecionais, para permitir que mais pessoas possam ter acesso à primeira dose.

Esta decisão foi tomada na reunião do Grupo Consultivo Estratégico de Peritos em Imunização (SAGE), que reúne 26 especialistas de várias áreas e diversos países e que, nos últimos meses, tem analisado a informação sobre as vacinas contra a covid-19.

Em conferência de imprensa realizada após a reunião, o responsável do SAGE, Alejandro Cravioto, indicou que os especialistas recomendaram que a segunda dose da vacina da Pfizer-BioNTech seja administrada “entre 21 e 28 dias” após a primeira toma.

Já a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) desaconselhou adiar a segunda dose da vacina Pfizer-BioNTech além dos 42 dias.

Esta recomendação da EMA tem em conta a possibilidade de “os vacinados poderem não estar totalmente protegidos até sete dias após a segunda dose”, como indicou a Pfizer após os ensaios clínicos.

Embora a informação do produto “não defina explicitamente o limite superior para o tempo entre as doses, as recomendações de dosagem fazem uma referência explícita (…) onde é especificado, respetivamente, que a evidência de eficácia é baseada num estudo no qual a administração de duas doses foi realizada com intervalo de 19 a 42 dias “, explicou Sophie Labbe, a porta-voz da Agência Europeia de Medicamentos (EMA), à agência espanhola EFE.

Qualquer mudança neste modo de utilização “exigiria uma variação da autorização de comercialização, bem como mais dados clínicos para apoiar tal mudança, caso contrário, seria considerada como ‘uso off-label'”, acrescentou a porta-voz da EMA.

A Comissão Europeia, que em última análise aprova a distribuição de vacinas na UE se a Agência Europeia de Medicamentos as considerar eficazes e seguras, evitou entrar no debate clínico sobre as dosagens e transferiu essa decisão médica para a EMA.

Envie este conteúdo a outra pessoa