Vice-presidente da ARS-N prevê desemprego nos médicos de família a partir 2016 289

Vice-presidente da ARS-N prevê desemprego nos médicos de família a partir 2016

15 de setembro de 2014

O vice-presidente da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-N) disse na sexta-feira à “Lusa” que a partir de 2016 haverá na região situações de desemprego entre os médicos de família.

Rui Cernadas explicou que a situação vai ocorrer, porque os 850 especialistas em medicina familiar que estão a ser formados nas universidades do norte do país são em número superior às necessidades.

«Não lhe falo em perspetivas, falo-lhe do que vai acontecer», acentuou.

Falando em Penafiel à margem das comemorações dos 35 anos do Serviço Nacional de Saúde, organizadas hoje pelo Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, o representante da ARS-N recordou que a região norte tem atualmente mais 300 médicos do que no final de 2011.

Por isso, observou, todas as necessidades da região, onde ainda há sete por cento de doentes sem médico de família, ficarão totalmente satisfeitas com os novos profissionais.

Rui Cernadas previu também que o excesso de médicos especializados em medicina familiar passará também a afetar o resto do país, a partir de 2018, incluindo o Algarve, que disse ser a região com mais carências.

O vice-presidente da ARS-N recordou que já há agrupamentos de centros de saúde na região norte onde não há carências, como os de Gondomar e o da Póvoa de Varzim/Vila do Conde.

Questionado, a propósito, pela “Lusa” sobre as carências que ainda existem no interior do distrito do Porto (no Baixo Tâmega 25% dos utentes não têm medico), afirmou que a situação deverá ficar resolvida com os novos especialistas que sairão das faculdades em 2016.

Apesar disso, avisou Rui Cernadas, 2015 vai ainda ser um ano «muito difícil», porque vão aposentar-se dezenas de médicos de família, que se fixaram nos anos 70 e 80, deixando a descoberto vários concelhos do interior da região norte.

WordPress Ads

Envie este conteúdo a outra pessoa