Prémio Gulbenkian distingue investigador por estudo sobre o cérebro 0 192

Prémio Gulbenkian distingue investigador por estudo sobre o cérebro

09 de Fevereiro de 2015

O investigador Tiago Monteiro, do Centro de Neurociências de Coimbra, foi distinguido pela Gulbenkian pelo seu envolvimento num estudo sobre o papel do nitrito, ascorbato e óxido nítrico em patologias cerebrais, anunciou hoje a Universidade de Coimbra (UC).

Tiago Monteiro, do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) da UC, «foi premiado pelo Programa de Estímulo à Investigação da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG) para estudar o papel do nitrito, ascorbato e óxido nítrico em patologias cerebrais resultantes da privação de oxigénio», afirma uma nota hoje divulgada por aquela universidade, citada pela “Lusa”.

«O estudo das reações do nitrito no cérebro» implica «a sua medição, em tempo real, no espaço extracelular, com um sensor de dimensões micro (microbiosensor), em simultâneo com a medição do fluxo sanguíneo cerebral com sonda laser», explicou Rui Barbosa, investigador do CNC responsável pelo acolhimento institucional deste projeto.

Numa fase posterior serão realizadas «experiências in vivo com os microbiosensores implantados no cérebro de rato, os quais permitirão modular a sua atividade neuronal», adiantou o especialista.

Os resultados deste estudo in vivo no cérebro «podem contribuir para esclarecer o papel do nitrito, ascorbato e óxido nítrico na função vascular do cérebro, promovendo o fluxo sanguíneo em estados de privação de oxigénio e abrindo a possibilidade de novas abordagens terapêuticas para determinadas patologias cerebrais», acrescentou Rui Barbosa.

Tiago Monteiro é contemplado com 2.500 euros, enquanto a instituição de acolhimento do projeto de investigação distinguido recebe 10.000 euros.

O prémio de Estímulo à Investigação da FCG, destina-se a investigadores com menos de 26 anos que trabalham em instituições portuguesas.

O Programa de Estímulo à Investigação da FCG distingue anualmente propostas de investigação de elevado potencial criativo em áreas científicas no âmbito das disciplinas básicas: Matemática, Física, Química e Ciências da Terra e do Espaço, apoiando a sua execução em centros de investigação portugueses.

Esta distinção, relativa a 2014 (para que o estudo seja desenvolvido em 2015) e à área científica da Química e Cérebro, no âmbito do Ano Europeu do Cérebro, será entregue numa cerimónia, na Fundação Gulbenkian, no dia 24.

Envie este conteúdo a outra pessoa