Moçambique triplica número de portadores de VIH com tratamento antirretroviral 0 199

Moçambique triplica número de portadores de VIH com tratamento antirretroviral

 


15 de março de 2018

O número de doentes com VIH, vírus que causa a sida, que beneficiam de tratamento antirretroviral em Moçambique triplicou entre 2013 e 2017, anunciou hoje a ministra da Saúde, Nazira Abdula.

«Registámos, entre 2013 e 2017, um aumento substancial de pessoas a beneficiarem do tratamento antirretroviral e que está a ser oferecido de forma gratuita e em unidades sanitárias cada vez mais próximas dos locais de residência dos nossos doentes», declarou Nazira Abdula, citada pela “Lusa”.

A ministra falava hoje, em Maputo, durante o encerramento da 7.ª reunião do Programa Nacional de Controlo de Infeções Sexualmente Transmissíveis, HIV e Sida, um encontro que avaliou em três dias o nível de execução da Resposta Acelerada ao HIV no período 2013-2017.

Apesar de haver mais beneficiários de tratamento antirretroviral e de o número de unidades sanitárias a oferecer o serviço ter quadruplicado, Moçambique continua longe de atingir as metas definidas pelas Nações Unidas para 2020.

O Governo moçambicano estima que 64% da população infetada tenha conhecimento do seu estado e que deste grupo só 54% esteja em tratamento antirretroviral, dos quais apenas 40% terá alcançado a supressão viral – o objetivo é chegar a 90% em cada patamar.

Nazira Abdula admitiu que os recursos para fazer face à doença no país são insuficientes, mas a adoção de estratégias em coordenação com os parceiros pode ser uma solução.

«Somos todos chamados a fazer mais e melhor, com os recursos que temos disponíveis, que assumimos que não são suficientes. A planificação conjunta e a união de esforços devem ser um imperativo estratégico nacional», observou a governante.

A estimativa mais recente da prevalência do HIV entre moçambicanos com idade entre 15 e 49 é de 13,2%.

O país continua a ser o segundo da África Austral e Oriental com maior número de novas infeções por ano, depois da África do Sul, segundo dados da agência UNAIDS de 2016.

Envie este conteúdo a outra pessoa