Menor tempo de espera para a cirurgia à catarata previne acidentes e suas comorbilidades 82

A Associação de Profissionais Licenciados de Optometria (APLO) apela a que seja assegurado, em Portugal, o acesso atempado, generalizado e integrado no SNS à cirurgia da catarata, uma vez que “um menor tempo de espera para cirurgia à catarata previne acidentes e as suas comorbilidades”.

De acordo com um estudo publicado no jornal médico australiano “Medical Journal of Australia’, “um menor tempo de espera para cirurgia à catarata previne acidentes e as suas comorbilidades. Promove autonomia, independência e maior esperança de vida, na terceira idade”.

A investigação desenvolvida, e agora divulgada, analisou o acesso à cirurgia da catarata de idosos australianos com 65 anos ou mais, encaminhados para cirurgia bilateral de catarata relacionada à idade, durante 2013-2016, por um período máximo de 24 meses após ingressão no estudo ou até seis meses após a segunda cirurgia ocular.

“A incidência de queda ajustada por idade e sexo antes da cirurgia foi de 1,17 quedas por ano, 0,81 por ano após a primeira cirurgia ocular e 0,41 por ano após a segunda cirurgia ocular”, refere Lisa Keay, docente na Escola de Optometria e Ciência da Visão da Universidade de Nova Gales do Sul, também conhecida como UNSW Sydney, na Austrália.

“Um menor tempo de espera para a cirurgia à catarata conduz a menor despesa para a pessoa, família e país. Em Portugal não se seguem as recomendações internacionais para a integração dos optometristas nos cuidados para a saúde da visão do Serviço Nacional de Saúde, promovendo o adequado planeamento da força de trabalho de profissionais da saúde da visão, libertando os recursos oftalmológicos para a tão necessária cirurgia à catarata às dezenas de milhares de utentes em lista de espera”, sinaliza Raúl de Sousa, presidente da APLO.

Num total de 118 participantes, submetidos à segunda cirurgia ocular e que participaram de todas as consultas de acompanhamento, a investigação levada a cabo permitiu concluir que “a incidência ajustada por idade e sexo antes (0,80 quedas por ano) e após a primeira cirurgia ocular (0,81 quedas por ano) foi semelhante, mas foi menor após a segunda cirurgia ocular (0,32 quedas por ano)”.

O acesso “atempado e equitativo à cirurgia de catarata é necessário para prevenir lesões e promover o envelhecimento saudável”, concluiu ainda o estudo australiano.
Segundo a Organização Mundial da Saúde, a deficiência visual e cegueira evitável e não tratada, como o erro refrativo e a catarata, impacta de forma muito significativa na autonomia, independência e inclusão a nível individual, e na produtividade, desenvolvimento e saúde pública dos países.

Consulte aqui o artigo: https://www.scimex.org/newsfeed/a-shorter-wait-for-cataract-surgery-could-prevent-injuries-from-falls

Envie este conteúdo a outra pessoa