Investigadores portugueses na lista dos mais citados do mundo 0 82

12 de Janeiro de 2016

Seis investigadores portugueses integram a lista dos cientistas mais citados do mundo da Thomson Reuters 2015, que inclui 3.126 nomes. Isabel Ferreira, Mário Figueiredo, José Bioucas-Dias, Nuno Peres, Delfim Torres e Miguel Araújo são os investigadores em questão.

«Este é um dos dados com peso para os rankings internacionais das universidades, e o número de pessoas nesta lista por milhão de habitantes constitui uma das medidas do impacto da ciência de um país», explica Mário Figueiredo, engenheiro eletrotécnico e investigador do Instituto de Telecomunicações, no Instituto Superior Técnico (IST). Para o cientista, na lista pelo segundo ano consecutivo, seis é «um bom número». «Estamos bem posicionados nesse parâmetro, entre a França e a Alemanha».

Além do mais, de dois portugueses na lista de 2014 – a par de Mário Figueiredo, também lá estava o físico Nuno Peres, da Universidade do Minho, que volta a ser incluído agora – , a de 2015 passou a integrar seis portugueses.

 Mais uma vez, como eles assinalam, é o resultado de um trabalho de anos. «O número de citações só se reflete oito a 10 anos depois da publicação de um artigo», diz Delfim Torres, matemático, professor e investigador na Universidade de Aveiro. As citações mostram a influência que esses trabalhos têm nas respetivas áreas.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, confessa-se satisfeito, por este ser «o resultado de uma política científica de várias décadas». É um «motivo de orgulho», diz – entre 2005 e 2011, Manuel Heitor foi secretário de Estado do antigo ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Mariano Gago. O seu objetivo é continuar esse legado, pelo que vai «mudar a política científica» do anterior governo e voltar a apostar mais na formação avançada e emprego científico, como diz em entrevista ao “DN”.

Envie este conteúdo a outra pessoa