Investigadora portuguesa dá nome a grupo de vírus 211

A investigadora Joana Azeredo, professora da Escola de Engenharia da Universidade do Minho (UM), vai ser a primeira portuguesa a baptizar um grupo de vírus, em concreto, à subfamília Azeredovirinae, que atacam bactérias patogénicas para os humanos.

A nomeação de Joana Azeredo foi anunciada pelo presidente do Sub-comité de Vírus de Bactérias e Arqueas do Comité Internacional de Taxonomia de Vírus, Andrew Kropinski, e a aprovação deve acontecer na próxima assembleia do organismo, em 2021.

De acordo com um comunicado divulgado da UM, este grupo de vírus infectam especificamente bactérias e são completamente inofensivos para os humanos, e que estão também estão associados à transferência das resistências em bactérias.

Os vírus Azeredovirinae “infectam e matam bactérias do género Estafilococos, causadores de doenças nos humanos” e “têm um grande interesse terapêutico”, indica a nota divulgada.

O conseguirem “reconhecer e matar bactérias”, pode ser utilizado “como armas” no combate a infecções bacteriológicas, nomeadamente no âmbito de “feridas crónicas, infecções urinárias e respiratórias”.

A Universidade do Minho refere ainda que trata-se da quarta mulher, a nível mundial, a receber uma distinção que só costuma ser atribuída no fim de carreira ou a título póstumo.

Joana Azeredo é licenciada em Engenharia Biológica e doutorada em Engenharia Química e Biológica pela UM, onde é professora associada. Além disso, é coordenadora do grupo de Ciência e Engenharia de Biofilmes do CEB – Centro de Engenharia Biológica da Universidade, e colabora com a Universidade Católica da Lovaina (Bélgica), o MIT – Instituto de Tecnologia de Massachusetts (EUA) e as universidades de Groningen e Wageningen (Holanda), entre outras instituições.

A investigadora foi ainda uma das co-fundadoras da International Society of Viruses of Microbes e é editora do “Virology Journal” e co-autora de quatro patentes, três livros e mais de 150 artigos em revistas internacionais, além de ter coordenado dois projectos de investigação europeus e sete nacionais.

Envie este conteúdo a outra pessoa