Farmácias com pico de procura e disponibilidade para realizar testes gratuitos à covid-19 211

A presidente da Associação Nacional de Farmácias (ANF), Ema Paulino, revelou esta quarta-feira que as farmácias tiveram na passada segunda-feira um pico de procura de testes à covid-19, dizendo ainda que existe disponibilidade para que se voltem a realizar despistes à população de forma gratuita, visto que os testes rápidos antigénio (TRAg) realizados em farmácias e laboratórios deixaram de ser gratuitos a partir de maio, como anunciado pelo Ministério da Saúde no final do passado mês de abril. Isto porque havia uma “evolução positiva da situação epidemiológica de covid-19 em Portugal e a capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde (SNS)”, como referiu na altura o Governo.

Ema Paulino explicou à Lusa que na primeira semana após o fim da comparticipação “houve uma diminuição na ordem dos 60% do número de testes efetuados nas farmácias”. Diz a responsável que a média era de “25 mil, podendo chegar aos 30 mil dependente do dia da semana”. “Passámos a ter nove mil testes diários na primeira semana de maio”, acrescentou.

Contudo, e com o aumento do número de casos de infeção por covid-19 em Portugal, o número aumentou na passada semana, tendo acontecido um “pico de testes realizados na segunda-feira [16 de maio] que chegou aos 15 mil”.

No mesmo sentido, a presidente da Associação Nacional de Farmácias acrescentou ainda à Lusa: “A perceção e os relatos que vamos tendo é que a positividade é grande, porque são as pessoas que já apresentam sintomas que mais se dirigem às farmácias para efetuar o teste”.

E, garante a farmacêutica, há “disponibilidade” para se voltar ao modelo de testagem gratuita nas farmácias, sendo que esta já foi manifestada e, referindo ainda Ema Paulino, uma das hipóteses é fazer o teste “às pessoas que vêm já com essa referenciação do seu médico quer da linha SNS 24”.

“Ainda não temos resposta final se será uma solução a avançar ou não”, disse ainda.

De acordo com os dados do Ministério da Saúde disponibilizados à Lusa, os cerca de 8,1 milhões de testes gratuitos, feitos ao abrigo deste regime excecional que terminou no último dia de abril, representaram uma comparticipação de mais de 118 milhões de euros.

Envie este conteúdo a outra pessoa