Familiares de diabéticos preocupados com hipoglicemias noturnas 0 95

Familiares de diabéticos preocupados com hipoglicemias noturnas

 


27 de fevereiro de 2018

O risco de hipoglicemias noturnas e o desenvolvimento de complicações são as principais preocupações dos familiares de diabéticos, segundo o primeiro estudo nacional que analisa atitudes, desejos e necessidades na diabetes.

Desenvolvido pela Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP), com o apoio de um laboratório, o estudo Diabetes, Attitudes, Wishes & Needs (DAWN) envolveu 540 participantes, entre os quais pessoas com diabetes tipo 1 e 2, familiares e cuidadores.

Para quem vive com esta doença, o impacto negativo da diabetes é sentido, principalmente, ao nível da saúde física: 63% nas pessoas com diabetes tipo 1 e 49% nas pessoas com diabetes tipo 2.

A diabetes também afeta o bem-estar emocional em 56% (tipo 1) e 42% (tipo 2) dos casos.

Entre as principais preocupações dos familiares de diabéticos destaca-se o risco de hipoglicemias (descidas de açúcar no sangue) noturnas (64%) e o desenvolvimento de complicações (51%).

A importância de receberem mais informação sobre a doença é sentida por 81% dos familiares de diabéticos que procuram também a melhor forma de apoiar o doente (82%).

Tanto as pessoas com diabetes como os seus familiares consideram que a sociedade tem de encontrar respostas mais eficazes no diagnóstico e no tratamento precoce (92%) e na acessibilidade à alimentação saudável e à prática de atividade física em locais adaptados e seguros.

O estudo indica que 68% das pessoas com diabetes tipo 1 e cerca de 40% das pessoas com diabetes tipo 2 consideram que têm uma boa qualidade de vida. Contudo, referem que a diabetes tem um impacto negativo na sua saúde física e bem-estar emocional.

De acordo com as conclusões do estudo, cerca de 63% das pessoas diagnosticadas com diabetes tipo 1 e 49% das pessoas com diabetes tipo 2 sentem um impacto negativo na saúde física devido à sua doença.

O bem-estar emocional é apontado como a segunda maior causa, com 56% e 42%, respetivamente.

Envie este conteúdo a outra pessoa