DGS: Doses de reforço contra a covid-19 devem ser com as vacinas da Moderna ou Pfizer 360

De acordo com a Direção-Geral da Saúde (DGS), a dose de reforço da vacina contra a covid-19 deve ser realizada com as vacinas da Moderna (Spikevax) ou da Pfizer (Comirnaty), pelo menos seis meses após o esquema vacinal.

Segundo as normas atualizadas da DGS, esta recomendação é idêntica para qualquer vacina, mas “não é aplicável às pessoas que recuperaram de infeção por SARS-CoV-2”.

Em comunicado divulgado à Lusa, o organismo explicou que a dose de reforço foi recomendada para os residentes e utentes de lares, instituições similares e da rede de cuidados continuados integrados – essencialmente pessoas com 65 ou mais anos.

Contudo, na quarta-feira, António Sales, secretário de Estado Adjunto e da Saúde, anunciou que será iniciado “muito em breve” o reforço de vacinação dos profissionais de saúde e do setor social com a terceira dose da vacina contra a covid-19.

O responsável explicou que “não tinha sido publicitada” esta ação porque “é sempre um processo complexo” do ponto de vista operacional e logístico, mas assegurou que até ao final da semana será divulgada uma orientação.

Em comunicado divulgado à agência de notícias, a DGS lembrou que “se o esquema vacinal primário tiver sido realizado com uma vacina de mRNA, a dose de reforço deverá ser da mesma marca”.

O organismo que tutela a saúde em Portugal sublinha que o plano de vacinação contra a covid-19 “assenta em valores de universalidade, gratuitidade, aceitabilidade e exequibilidade” e tem como objetivos de saúde pública: “salvar vidas, através da redução da mortalidade, dos internamentos e dos surtos”, sobretudo nas populações mais vulneráveis; “preservar a resiliência do sistema de saúde e do sistema de resposta à pandemia”; e “mitigar o impacto económico e social da pandemia”.

Para a toma da vacina da Moderna (Spikevax), a DGS aponta os 12 anos como idade mínima, com um intervalo recomendado de 28 dias. A da Pfizer (Comirnaty) também foi aprovada na União Europeia para prevenção da covid-19 em pessoas com idade igual ou superior a 12 anos e o intervalo entre as duas doses primárias é de 21 a 28 dias.

Envie este conteúdo a outra pessoa