Despesas de saúde privada em Portugal com maior crescimento da OCDE 218

Despesas de saúde privada em Portugal com maior crescimento da OCDE

08 de Julho de 2015

As despesas de saúde privada em Portugal e na Grécia tiveram o maior crescimento da área da OCDE desde 2009 a 2013, significando já um terço da despesa total em saúde, segundo um relatório divulgado ontem.

 

As “Estatísticas de Saúde 2015” da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) mostram que a despesa de saúde continuou a tendência decrescente em Portugal, Grécia e Itália no ano 2013.

 

«A maioria dos países membros da OCDE da União Europeia indicou gastos com a saúde per capita abaixo dos níveis de 2009. Fora da Europa, estas despesas aumentaram a uma taxa de 2,5% ao ano desde 2010», refere a OCDE, citada pela “Lusa”.

 

Três quartos dos gastos com a saúde continuam a ser financiados por fontes públicas nos países da OCDE, «mas as medidas de contenção de custos tomadas por alguns estados levaram a um aumento do consumo privado», seja através de seguros de saúde ou de pagamentos diretos pela família.

 

«Na Grécia e em Portugal, a participação das despesas de saúde privada cresceu quatro pontos desde 2009, o que representa o maior aumento na área da OCDE, e significa que um terço da despesa total em saúde foi financiado por fontes privadas em 2013», refere uma síntese da organização.

 

A OCDE destaca mesmo que «alguns dos países mais atingidos pela crise tiveram aumentos significativos» nos pagamentos diretos no momento de utilização dos cuidados de saúde (pagamentos out-of-pocket).

 

Como exemplos surgem Portugal e a Grécia, que entre 2009 e 2013 viram as despesas de saúde privada aumentarem, respetivamente, para 28% e 31% do total.

 

Sobre os gastos gerais com saúde per capita, Grécia, Itália e Portugal são os países apontados como tendo quedas consecutivas nos últimos anos.

 

Na Grécia, a queda de 2,5% em termos reais em 2013 significou a quarta baixa consecutiva nas despesas de saúde, deixando os níveis per capita a cerca de 75% dos de 2009.

 

Já em Portugal e em Itália, os gastos com saúde decresceram por três anos consecutivos.

 

Em Portugal a despesa com saúde diminui 4,8% em 2010/2011, reduziu 5,8% em 2011/2012 e voltou a decrescer 3,7% em 2012/2013.

 

No global, dos 34 países que integram a OCDE, os gastos com saúde tiveram um aumento real de um por cento em 2013, acima dos 0,7% que tinham sido registados em 2012. Contudo, a organização salienta que as taxas de crescimento em 2013 se mantiveram bem abaixo dos níveis pré-crise: entre 2000 e 2009 o crescimento médio das despesas de saúde tinha atingido os 3,8%.

Envie este conteúdo a outra pessoa