Da Botica… à Farmácia 0 212

Dizem que a profissão de farmacêutico acompanhou a evolução da Humanidade, sendo a história da arte de curar tão antiga como a do Homem.

Começou na Antiguidade de forma rudimentar e empírica. Os textos antigos relatam o emprego de plantas e substâncias de origem animal, para fins curativos, desde o período do Paleolítico.

Os chineses preparavam já há mais de 2.600 anos remédios extraídos das plantas. Também os egípcios o faziam, juntamente com sais de chumbo, cobre e unguentos feitos com gordura animal (hipopótamo, crocodilo e cobra).

A origem da atividade farmacêutica remonta ao séc. X, com as chamadas boticas ou apotecas. O boticário era responsável pelo tratamento e cura das doenças, sendo a medicina e a farmácia uma só profissão.

Somente no séc. XVIII estas atividades foram diferenciadas, cabendo ao médico o diagnóstico da doença e ao boticário a manipulação dos medicamentos para a curar.

A pesquisa sistemática de novos princípios ativos foi avançando, surgindo entretanto o 1.º tratado de Farmacologia e Toxicologia, bem como os primeiros laboratórios farmacêuticos.

As boticas foram evoluindo até ao modelo de farmácia atual.

A taça com a serpente enrolada é internacionalmente conhecida como símbolo da profissão farmacêutica. Este símbolo representa o poder (cobra) sobre a cura (taça).

Tal como a serpente, que nos simboliza, mudamos de pele para podermos crescer e evoluir.

Durante a 1.ª Guerra Mundial desenvolve-se a terapia antimicrobiana e a imunoterapia.
No período da 2.ª Guerra Mundial as pesquisas sobre a guerra química levam à descoberta dos primeiros neoplásicos. No pós-guerra surge a Indústria Farmacêutica em grande escala.

A investigação na procura de medicamentos cada vez mais eficazes avança vertiginosamente.

Os velhos manipulados dão lugar a medicamentos sofisticados, produzidos com elevados padrões de qualidade e inovação constantes, obrigando a uma atualização permanente dos nossos conhecimentos. Continuamos, no entanto, a preparar em pequena escala alguns manipulados, sobretudo nas áreas da dermatologia, pediatria e geriatria.

Adaptámo-nos, evoluímos acompanhando a mudança, crescemos e continuaremos a crescer, pois a melhoria é contínua.

Cristina Santos,
Farmacêutica

Envie este conteúdo a outra pessoa