Cerca de 75% das grávidas foram vacinadas contra a tosse convulsa em 2017 Comentários fechados em Cerca de 75% das grávidas foram vacinadas contra a tosse convulsa em 2017 245

Cerca de 75% das grávidas foram vacinadas contra a tosse convulsa em 2017

 


09 de maio de 2018

Cerca de 75% das grávidas foram vacinadas contra a tosse convulsa em 2017, revela o Boletim Programa Nacional de Vacinação, segundo o qual foi atingido o objetivo de 95% de vacinação para todas as vacinas até aos sete anos.

O Programa Nacional de Vacinação (PNV) passou, no início do ano passado, a ter novos esquemas vacinais gerais, em função da idade e do estado vacinal anterior e ainda esquemas vacinais específicos para grupos de risco ou em circunstâncias especiais.

A vacina contra a tosse convulsa passou a ser recomendada a grávidas entre as 20 e as 36 semanas de gestação, como forma de garantir a imunidade do bebé até que este possa fazer a primeira dose da vacina, recomendada aos dois meses de idade, refere o boletim, divulgado hoje pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

No ano em que se comemoram os 10 anos de vacinação contra o cancro do colo do útero, «continuam a vacinar-se mais de 85% das jovens até aos 14 anos», salienta a DGS.

O Boletim Programa Nacional de Vacinação destaca que «foi atingido o objetivo de 95% de vacinação para todas as vacinas avaliadas até aos 7 anos de idade».

Aos três meses de idade cerca de 95% das crianças já tinham cumprido o esquema recomendado para as vacinas em estudo (1ª dose das vacinas contra S. pneumoniae e contra tosse convulsa). No entanto, aos 13 meses, 16% das crianças ainda não estavam protegidas contra o sarampo, e 15% não estavam protegidas contra a doença invasiva por Neisseria meningitidis C, refere o boletim, salientando que «estes resultados revelam uma melhoria em relação ao ano de 2016».

«De uma forma geral, a avaliação efetuada dá conta dos excelentes resultados na aplicação do PNV, fruto do compromisso e dedicação dos profissionais de saúde, bem como da forte adesão dos cidadãos», salienta a DGS, citada pela “Lusa”.

Estima-se que em 2017, tenham sido administradas, em campanha, mais cerca de 40.000 doses de vacinação contra o sarampo, parotidite epidémica e rubéola (VASPR), em comparação com o ano anterior (21%), a maioria (79%) a adultos.

Os dados indicam que a cobertura vacinal para a primeira dose da vacina contra o sarampo, avaliada aos dois anos, foi de 98%, e para a segunda dose, nos menores de 18 anos, variou entre 96% e 98%, coberturas mais elevadas do que as verificadas no ano anterior. «No entanto, continuam a registar-se valores abaixo da meta em algumas áreas do país», observa.

Os surtos de sarampo que ocorreram em Portugal no último ano vieram chamar a atenção para a importância da vacinação atempada, especialmente até aos 12 meses, tendo sido «intensificados os esforços do Programa para convocar todas as pessoas com esquema vacinal em atraso», acrescenta.

O boletim salienta que «a elevada cobertura vacinal e a implementação precoce de medidas de controlo contribuíram para a rápida interrupção da transmissão» da doença nas regiões do Algarve e de Lisboa e Vale do Tejo, onde foram registados sete e 20 casos, respetivamente, «menos de dois meses após deteção dos primeiros casos, respeitando-se assim os critérios para a manutenção do estatuto de eliminação do sarampo em Portugal».

Defende ainda que para a contenção e interrupção da circulação do vírus do sarampo, é crucial uma elevada cobertura vacinal, «uma vigilância epidemiológica efetiva e a implementação precoce de medidas de controlo».

Envie este conteúdo a outra pessoa