Centro Hospitalar de São João fecha urgência de Valongo mas abre outras valências 115

Centro Hospitalar de São João fecha urgência de Valongo mas abre outras valências

14 de julho de 2014

O Centro Hospitalar de S. João informou na sexta-feira que a câmara de Valongo de que a urgência básica do hospital deste concelho encerra a 15 de julho, estando, no entanto prevista a abertura nesta unidade hospitalar de várias outras valências.

Uma carta, com data de quinta-feira, enviada pelo Centro Hospitalar de São João à câmara de Valongo, refere que «em coordenação com a ARS-Norte [Administração Regional de Saúde] se dará reinício à implementação do plano estratégico para o Polo de Valongo, o qual, elaborado em 2010 e aprovado no âmbito do Centro Hospitalar de São João foi temporariamente interrompido».

Após vários pontos, lê-se o trecho «encerramento da urgência básica», sendo que a mesma carta afirma que «a aplicação destas decisões se reiniciará» no dia 15 de julho.

O Centro Hospitalar de São João integra dois polos, o de São João, no Porto, e o de Valongo, conhecido por Hospital Nossa Senhora da Conceição, que funciona num edifício arrendado à Misericórdia de Valongo.

A unidade de Valongo, estima a comissão de utentes da mesma, serve cerca de 150 mil utentes por ano, sendo abrangida população deste concelho, bem como das freguesias de S. Pedro da Cova, localizada em Gondomar, e Gandra, em Paredes.

«Este plano pretende reforçar a importância do Polo de Valongo do Centro Hospitalar de São João no contexto do Serviço Nacional de Saúde, assegurando a sua indispensabilidade e perenidade, ao dotá-los de valências únicas e complementares no âmbito de centro hospitalar e eliminando redundâncias inúteis e prejudiciais do ponto de vista técnico e assistencial, visando melhorar a oferta de cuidados de saúde», lê-se na carta remetida à câmara de Valongo.

A criação de um centro de hemodiálise público no concelho de Valongo, a abertura de consultas de especialidade de cirurgia vascular, plástica, dermatologia, endocrinologia, gastrenterologia, nefrologia, reumatologia, urologia, pediatria e nutrição, bem como a implantação de viatura de Serviço Imediato de Vida (SIV) e de consulta aberta de medicina interna, constam desta carta como áreas a ser implementadas no futuro.

O tema do encerramento das urgências do hospital de Valongo tinha sido levantado no dia 15 de maio, numa reunião pública de câmara, quando o presidente socialista, José Manuel Ribeiro, revelou saber que este serviço iria ser fechado a 1 de junho, algo que não aconteceu mas que motivou várias reuniões com a ARS-Norte e o protesto de várias forças políticas.

Posteriormente no dia 29 de maio, novamente numa reunião pública, o autarca revelou que a ARS-Norte tinha assumido o compromisso de remeter uma «visão estratégica» sobre a área de saúde no concelho e que a autarquia poderia apresentar «contrapropostas».

Questionado sobre se tinha ficado surpreendido por receber uma carta do Centro Hospitalar São João e não da ARS-Norte, José Manuel Ribeiro preferiu reiterar «estar a ali [protesto marcado pela comissão de utentes para a frente das urgências do hospital] em solidariedade com esta questão» e por ser «contra o encerramento» do serviço e que «melhor era não ter recebido comunicação nenhuma».

A agência “Lusa” contactou a ARS-Norte, mas esta estrutura remeteu os esclarecimentos para a carta do Centro Hospitalar São João e não quis prestar declarações.

A Comissão de Utentes do Hospital de Valongo agendou para hoje uma vigília de protesto, marcada para as 21:30.

Envie este conteúdo a outra pessoa