Associação de Farmácias de Portugal contra banalização da venda de medicamentos 340

Associação de Farmácias de Portugal contra banalização da venda de medicamentos

25 de Fevereiro de 2015

A Associação de Farmácias de Portugal (AFP) alerta, em comunicado, para os riscos associados à banalização da venda de medicamentos e lembra que são um produto com características especiais.

Para Manuela Pacheco, presidente da AFP, «permitir que os medicamentos sejam vendidos fora das farmácias, em locais como cafés, tabacarias, quiosques ou bancas de jornais é encará-los como um qualquer produto de consumo». E acrescenta, na mesma nota que: «além dos perigos de saúde pública inerentes, que capacidade têm as autoridades de saúde para garantir as condições de segurança exigidas no acondicionamento e disponibilização dos medicamentos aos cidadãos neste tipo de locais? E quem esclarece dúvidas sobre a sua toma correta?».
 
De acordo com a responsável, «o aumento da proximidade com este alargamento é uma falsa questão. Este consegue-se, sim, alterando a legislação, para permitir a deslocalização geográfica das farmácias, consoante as necessidades de cada população».

Manuela Pacheco considera ainda que esta proposta «vem agravar ainda mais o estado de asfixia financeira em que as farmácias se encontram», chamando também a atenção para o facto de «a venda de medicamentos fora das farmácias não ter provocado uma baixa do preço nesses locais, ao contrário dos argumentos defendidos na altura».

Envie este conteúdo a outra pessoa