As Melhores Empresas para a Pharm Exec 2019 0 443

A Pharmaceutical Executive divulga anualmente a listagem das principais empresas da industria farmacêutica. Os dados são fornecidos em parceria com a Evaluate Ltd, e têm em conta a diversificação de negócios, patentes, indicações de terapias populares, portefólio e os medicamentos inovadores.

Tal como no ano passado, a Pfizer mantém o primeiro lugar, com receitas a atingirem um total de US $45,3 bilhões. Muito deste valor foi conseguido devido às vendas do medicamento para o cancro de mama Ibrance, que em abril ganhou a aprovação do FDA para homens com HR +, HER2- câncer de mama metastático, e que aumentaram 31,7% em relação ao ano anterior.

A Roche e a Novartis trocaram a segunda e terceira posições, com a Roche a ultrapassar a Novartis com um aumento de 6,8% nas vendas de Rx. A Roche também gastou mais do que qualquer empresa em P&D, investindo US $9,8 bilhões. Herceptin continua a ser o medicamento mais vendido da Roche, apesar da sua patente ter expirado e as vendas terem caíram 16% na Europa no ano passado.

A Novartis registou um aumento de 3,8% na receita de medicamentos muito graças ao seu próprio medicamento de terapia genética, Zolgensma. Este foi aprovado pela FDA no final do mês passado para tratar crianças menores de dois anos de idade com atrofia muscular espinhal, doença potencialmente mortal, que tem bum preço de infusão único de US $2,1 milhões.

A Johnson & Johnson subiu uma posição para a quarta posição, devido ao crescimento de vendas de medicamentos em cerca de 12,8%, em relação ao ano anterior.

A Merck & Co., apesar de ter descido uma posição e ter trocado com a Johnson & Johnson, registou um ganho de 5,6% com o Keytruda, a imunoterapia contra o câncer. As vendas do medicamento aumentaram 88% em 2018, para US $7,2 bilhões. Este foi aprovado pela FDA em abril como um tratamento de primeira linha para pacientes com cancro de pulmão de células não pequenas no estágio III (CPNPC) que não são candidatos à resseção  cirúrgica ou quimioradioterapia definitiva.

A AbbVie trocou de posição com a GlaxoSmithKline, e encontra-se em sétimo lugar na lista. A empresa registou um aumento de 15,6% na receita de Rx, atrás de US $19,9 bilhões em vendas da Humira. Embora a patente da Humira na UE tenha expirado no ano passado, a AbbVie chegou a acordo para se defender da concorrência até janeiro de 2023. Entretanto, a empresa está a tentar impulsionar as vendas dos seus novos medicamentos Skyrizi e Upadacitinib, através de uma politica de descontos.

A Gilead caiu uma posição, ocupando agora o último lugar do top 10, apesar das vendas do medicamento contra o HIV. A receita global de prescritos caiu 15,5%, devido em grande parte ao declínio da franquia do medicamento contra o vírus da hepatite C (HCV), que perdeu participação nos últimos anos no mercado devido ao lançamento de medicamentos rivais.

Se pretende conhecer o resto da listagem, pode consultar aqui o Top 50.

Envie este conteúdo a outra pessoa