APCL, SPH e Novartis volta a lançar bolsa de 15 mil euros para distinguir melhor projeto de investigação sobre leucemia mieloide crónica 136

Já teve início o novo prazo de candidaturas da bolsa de investigação clínica sobre leucemia mieloide crónica (LMC), uma iniciativa da Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APCL) e da Sociedade Portuguesa de Hematologia (SPH), desenvolvida em parceria com a Novartis, que vai distinguir o melhor projeto com 15 mil euros. As candidaturas estão abertas até ao dia 31 de maio.

“Esta bolsa visa reforçar o nosso compromisso para com a investigação no campo das doenças hemato-oncológicas. Ainda que relativamente rara, a LMC preocupa-nos pelo seu carater crónico e pelo impacto que tem na qualidade de vida dos doentes. Neste sentido, consideramos fundamental continuar a apoiar e incentivar a investigação clínica nesta doença”, refere Manuel Abecasis, Presidente da APCL.

João Raposo, Presidente da SPH, esclarece que: “Nas últimas décadas tem-se vindo a assistir a significativas mudanças na história da LMC com o aparecimento de novas opções terapêuticas. Hoje em dia o número de pessoas que vivem com esta doença é cada vez maior, mas felizmente a esperança média de vida destas pessoas tem também vindo a crescer. Esperamos, assim, que esta bolsa estimule projetos de investigação que nos ajudem a enfrentar o desafio que hoje se coloca – diminuir o impacto da doença na qualidade de vida dos doentes”.

No âmbito do apoio da Novartis, Maria Rita Dionísio, Diretora Médica da Unidade de Oncologia da Novartis Portugal, acrescenta que “É fundamental promover e incentivar a ciência em Portugal. Acreditamos que esta bolsa de investigação pode contribuir significativamente para o conhecimento sobre o impacto da LMC na vida dos doentes, identificando necessidades concretas que potenciem o desenvolvimento de soluções que melhorem a qualidade de vida das pessoas com LMC”.

Podem candidatar-se a esta bolsa todos os projetos subscritos por investigadores nacionais ou estrangeiros a trabalhar em instituições portuguesas e com formação profissional e/ou académica superior. Serão valorizados projetos de caráter multidisciplinar e de colaboração/parceria entre várias instituições, nomeadamente com associações de doentes.

A bolsa volta a ser lançada este ano depois de em 2021 as candidaturas recebidas não terem cumprido os critérios definidos em regulamento, impedindo a sua atribuição. As candidaturas podem ser enviadas para o email da APCL (bolsas@apcl.pt), responsável pela aceitação e gestão das mesmas. O regulamento poderá ser consultado no site da APCL.

Na leucemia mieloide crónica, os glóbulos brancos ainda não estão totalmente desenvolvidos e não são completamente normais. A maturação dos glóbulos brancos está alterada, resultando numa acumulação progressiva destas células nas várias fases do seu desenvolvimento. A sua eficácia no combate às infeções está diminuída e a capacidade da medula óssea para produzir glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas normais fica comprometida. Esta é uma doença rara. Surgem cerca de 1-1,5 novos casos/ano/100.000 habitantes.

Em Portugal, estima-se que sujam aproximadamente 100-150 novos casos por ano. A LMC representa cerca de 15% do total de todas as leucemias. É ligeiramente mais frequente no sexo masculino, sendo geralmente diagnosticada entre os 50-60 anos de idade e muito rara na infância.

WordPress Ads

Envie este conteúdo a outra pessoa