A importância da atualização contínua em Medicina Interna 81

O Núcleo de Estudos de Formação em Medicina Interna (NEForMI), da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI), vai realizar o 4º Curso de Atualização em Medicina Interna (CAMI) de 15 a 20 de novembro, no Palácio Marqueses da Praia e Monforte, em Loures.

“Hoje em dia manter uma atualização constante nos mais variados temas sem recorrer a programas de formação deste tipo é muito desafiante, o conhecimento científico avança a uma velocidade estonteante e o que hoje é verdade, amanhã pode não ser”, afirma Luísa Eça Guimarães, coordenadora.

Com diferentes tipologias de sessões incluindo conferências, encontros com o especialista, quizz, workshops e keynotes, previstas, o curso apresenta, este ano, como principais objetivos a promoção e revisão de conceitos clínicos das principais entidades nosológicas abordadas pelo internista e atualizar de forma crítica os conhecimentos nas áreas de “autoimunidade, doenças respiratórias, cardiovasculares, neurológicas, endocrinológicas, hematológicas, oncológicas, infeciosas, cuidados paliativos, entre outras”, antecipa a responsável, ressalvando que “não exclui o tema pandémico, abrange-o, mas sem lhe dar o foco que foi necessário no último ano. A medicina, a saúde e a doença vão muito para além da pandemia”.

O 4º Curso de Atualização em Medicina Interna (CAMI) destina-se a Médicos Internos ou Especialistas de Medicina Interna; Médicos de outras especialidades médicas; Médicos do Ano Comum; e Alunos de Medicina.

“Somos uma plataforma que se quer de renovação do conhecimento científico para ajudar os nossos colegas a tomar decisões cada vez mais informadas”, frisa ainda a médica internista.

A par de Luísa Eça Guimarães, Maria da Luz Brazão, Andreia Villas-Boas, Inês Chora, Nuno Bernardino Vieira, Ricardo Fernandes, Ricardo Louro, Sandra Morais constituem a coordenação do curso. António Martins Baptista ocupa, por sua vez, o cargo de presidente da Comissão Científica.

Envie este conteúdo a outra pessoa