Covid-19: Portugal usa dexametasona mas aguarda mais informações 503

De acordo com Rui Santos Ivo, presidente da Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P. (Infarmed), Portugal tem estado a usar dexatemasona, mas aguarda por “informação mais detalhada” sobre o estudo que considera o medicamento benéfico contra a covid-19.

A informação foi avançada durante a conferência de imprensa da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia do novo coronavírus, com Rui Santos Ivo a admitir que o medicamento está “a ser usado em Portugal em doentes infetados com covid-19”, mas que aguarda pela “análise dos dados” do estudo do Reino Unido, para conhecer “em detalhe quais as condições consideradas na administração das terapêuticas destes doentes”.

“A dexametasona é um medicamento comum. Não se dirige especificamente à infeção por covid-19. O que demonstraram estes estudos, cujos primeiros dados foram divulgados, foi que, em doentes ventilados ou a precisar de oxigénio, com situações inflamatórias mais graves, há um efeito reduzido de mortalidade. É neste tipo de situação que parece que a dexametasona vai ser boa”, explicou Rui Santos Ivo.

O presidente do Infarmed indicou ainda que “o medicamento está em utilização no Serviço Nacional de Saúde”, e que nos primeiros quatro meses do ano, foram usadas em Portugal 200 mil unidades deste fármaco.

Este tema surgiu após a Organização Mundial da Saúde (OMS), através do seu diretor-geral, Tedros Adhanom Ghebreyesus, ter afirmado que a utilização de dexametasona é um “avanço científico” na luta contra a pandemia de covid-19. (Leia a noticia aqui)

Isto após o secretário de Estado da Saúde britânico, Matt Hancock, ter indicado através de uma publicação na rede social Twitter, que Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido vai começar a utilizar dexametasona para combater a covid-19, depois de um “grande estudo” realizado pela Universidade de Oxford. (Leia a noticia aqui)

Envie este conteúdo a outra pessoa