Condição pós-covid-19 e as farmácias comunitárias 405

Nos primeiros tempos da pandemia da covid-19 abundaram as metáforas da guerra contra o “inimigo invisível”. Até ao momento em que a guerra na Ucrânia tornou, de um dia para o outro, quase invisível a pandemia e os seus efeitos. É certo que com uma taxa de vacinação muito elevada, o anseio principal da grande maioria da população portuguesa era, e tem sido, voltar à vida dita normal, entendida como a vida social e económica anterior à pandemia.

Contudo, apesar dessa vontade, a pandemia não terminou. Continua presente no dia-a-dia. O número diário de novas infeções, mesmo que não tenha destaque ou sequer lugar nas notícias, teima em não baixar. Assim, a covid-19 vai continuar presente, numa pressão sobre os serviços de saúde, bem como irá aumentar o número de pessoas que, tendo contraído covid-19, ao fim de várias semanas passadas sobre a fase aguda da doença apresentam sintomas de mal-estar que não têm uma explicação alternativa a serem sequelas da covid-19. Esta situação, denominada por condição pós-covid-19, foi já reconhecida como um problema de saúde pela Organização Mundial de Saúde. Levou, em Portugal, à produção da Norma 02/2022 da Direção-Geral da Saúde, que coloca nos cuidados de saúde primários o papel central de acompanhar quem tenha esta condição, e dá destaque aos auto-cuidados das pessoas afectadas.

Sendo uma condição nova, há ainda um grande desconhecimento sobre o que será a sua duração, se terá efeitos permanentes e/ou se levará a períodos mais agudos que venham a comprometer a capacidade de trabalhar. A covid-19 deixa também um legado de trabalho para o sistema de saúde e exigências para o apoio social público, bem como desafios para as empresas e entidades empregadores em geral (como tratar estas ausências laborais?).

O seguimento desta condição pós-covid-19 abre novas possibilidades de colaboração entre as farmácias comunitárias e os médicos de família, que terão vantagem em ser exploradas, até pelo foco nos auto-cuidados dos doentes.

O acompanhamento e aconselhamento de pessoas com condição pós-covid-19 poderá ser definido em protocolo conjunto, sendo que o farmacêutico faz um acompanhamento regular e poderá apoiar os doentes nos seus auto-cuidados. Em caso de algum sinal de alerta, remete o doente para o médico de família. Num contexto global de falta de médicos de família e na presença de novas exigências, esta resposta conjunta poderá apresentar vantagens para todas as partes (doentes, farmácias, cuidados de saúde primários). Falta saber qual o efeito sobre a despesa do Serviço Nacional de Saúde, o que poderá ser aprendido através de experiências piloto que sejam lançadas.

Terminando numa nota positiva, a vacinação contra a covid-19 não só protege contra doença grave como, segundo resultados preliminares de estudos em curso, também protege contra a condição pós-covid-19.

Reforça-se, por isso, a importância de manter uma elevada taxa de vacinação contra a covid-19, que de futuro poderá igualmente levar o Serviço Nacional de Saúde a considerar as vantagens de uma colaboração com as farmácias comunitárias como forma de alargar a rede de pontos de vacinação.

Esperemos que a guerra na Ucrânia não faça esquecer por completo este outro “inimigo invisível” que não nos abandonou (ainda).

Pedro Pita Barros
Nova SBE Health Economics and Management, Universidade Nova de Lisboa

Envie este conteúdo a outra pessoa